Consequências do tráfico de escravos para a Democracia africana

Quais as consequências do tráfico de escravos para a democracia Africana

Reconhecemos que a escravidão e o tráfico escravo, incluindo o tráfico de escravos transatlântico, foram tragédias terríveis na história da humanidade, não apenas por sua barbárie abominável, mas também em termos de sua magnitude, natureza de organização e, especialmente, pela negação da essência das vítimas ; ainda reconhecemos que a escravidão e o tráfico escravo são crimes contra a humanidade e assim devem sempre ser considerados, especialmente o tráfico de escravos transatlântico, estando entre as maiores manifestações e fontes de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância correlata; e que os Africanos e afro-descendentes, Asiáticos e povos de origem asiática, bem como os povos indígenas foram e continuam a ser vítimas destes actos e de suas consequências; “
“. Reconhecemos que o colonialismo levou ao racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância correlata, e que os Africanos e afro-descendentes, os povos de origem asiática e os povos indígenas foram vítimas do colonialismo e continuam a ser vítimas de suas consequências. Reconhecemos o sofrimento causado pelo colonialismo e afirmamos que, onde e quando quer que tenham ocorrido, devem ser condenados e sua recorrência prevenida. Ainda lamentamos que os efeitos e a persistência dessas estruturas e práticas estejam entre os factores que contribuem para a continuidade das desigualdades sociais e económicas em muitas partes do mundo ainda hoje; “(1)

Seqüestro, violência (física, psicológica, verbal, política, cultural, institucional), discriminação, preconceito. Crimes tipificados em legislações internacionais, e de elevado potencial ofensivo (considerados até mesmo hediondos) passíveis de punições severas previstas nos códigos judiciários.
Todavia, muitas vezes são “relevados, e não são vistos na sua real gravidade e tampouco leva-nos a reflectir na sua real (e negativa) extensão.

Os atingidos pelo Holocausto foram considerados como “vítimas”, receberam o reconhecimento de sua tragédia, suas perdas foram objecto de reparação e indemnização e seus descendentes lutam para manter acesa até hoje a lembrança da “barbáries, de modo a não permitir sua repetição.
No Brasil, as vítimas da Ditadura Militar foram amnistiavas, receberam indemnizações e tiveram seus direitos restaurados. Nos dois casos, os crimes cometidos durante anos, e que vitimaram grande número de pessoas, receberam tratamento jurídico visando à reparação de suas consequências.

A colonização da África, e seus reflexos na diáspora também são consideradas criminosos, principalmente a “escravidão e as consequências de sua prática. Os crimes de sequestro, violência, discriminação e preconceito, cometidos durante “séculos” contra negros e seus descendentes, ainda persistem. Diferentemente ao Holocausto, tentam “apagar” a história da escravidão, provocar o esquecimento do sofrimento causado aos negros, desconsiderar as suas perdas.

O arcabouço jurídico no Brasil, no tocante ao direito de negros e afro-descendentes é algo contraditório.
Buscou-se sempre, através de leis, criar dificuldades e embaraços legais que permitissem ao negro o acesso a bens e direitos e sua integração na sociedade de modo justo e igualitário (2). As leis “favoráveis aos negros africanos ficou conhecido pelo continente dos escravos, teve varias consequências marcantes até hoje, tem como uma marca desse continente a fome e a miséria, consequência da exploração desde o inicio dos europeus e o trafico negreiro além claro do racismo

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: